[Notícias][6]

"JUSTIÇA"
"PREFEITÁVEL"
"Religião e Política"
´Polícia
2014
Ação Social
acidente
Advogado(s)
AGENDA DE HENRIQUE ALVES
AGENDA DOS CANDIDATOS
Agricultura
ANIVERSARIANTE DO DIA
Apodí
Aposentados
Aposentados...
Artísta
Artístas
Assalto(s)
Assu
Ator
Atriz
Bancos
Bancos/Financeiras
BELEZAS
BLO
Blogueiro
BRASIL
Brasília
Câmara dos Deputados
Câmara e Senado
CAMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL/SENADO FEDERAL
Câmara Municipal
CAMPANHA
Cantor
Cantora
cantores
Caraúbas
Carnaval
Celebridades
Chuva
Cidades
Ciência
Comunicação
Comunicado
Concurso Público
Congresso
Consumidor
CONVITE
COPA DO MUNDO/2014
Correios
CORRUPÇÃO
COTIDIANO
crime
Cultura
Curiosidades
Cursos
DADOS
Datas Comemorativas
Debate ao Governo
Debate Presidencial
Defesa Civil
DENÚNCIA
DEPUTADA FEDERAL
Deputado
Deputados Estaduais do RN
Dia a dia...
Dicas
Dilma
Drogas
Economia
Econômia
educação
Educadores
Eleições
Eleições 2014
Eleições 2014/RN
Eleições 2016
Eleições Municipais 2016
Eleições Municipais Segundo Turno
Eleições Presidencial
Eleições Suplementares
Emenda Parlamentar
Emprego
ENQUETE
Ensaio
Esporte
Estatísticas
Evento
EVENTOS
EX DEPUTADO
Ex governador
Ex Ministro
Ex Prefeito(a)
Ex presidente
Facebook
Famosos
Felipe Guerra
Feriados
FESTAS
Forró
Futebol
Gerais no RN
Governador
Governador do RN
Governadores
Governo
Governo do RN
Governo Federal
Greve
Henrique Alves
Humor
Humoristas
Impeachment
Incendio
Incêndio
Industria
Internet
Investigação
IPVA
itaú
ITAÚ/RN
Jogadores
Juiz(a)
JUS
Justiça
JUSTIÇA ELEITORAL
Leilão
Leis
LEVANTAMENTO
LEVANTAMENTO...
LGBT
LIGEIRINHAS...
Loteria
Martins
Médico
MENSALÃO
Ministro
Ministros
MMN
Mossoró
MP/RN
MPF
MPF/RN
MULTINÍVEL-MMN
Mundo
Mundo Animal
Natal
Natureza!
Nordeste
Nota de Esclarecimento.
Nota de Repúdio
Palestra
PATU
Pau dos ferros
Pesquisa
PIS/PASEP
Poder
Poder Legislativo Municipal
POL ROD ESTADUAL DO RN
POL TECNICA
POLICIA
polícia
POLICIA AMBIENTAL
POLÍCIA AMBIENTAL
Polícia Civil
Polícia Federal
Polícia Militar
POLICIA MILITAR DO RN
POLÍCIA ROD FEDERAL
POLÍCIAS
POLITICA
política
política do RN
Políticos
Políticos do rn
PREFEITÁVEIS
Prefeito
Prefeito(a)
Prefeitos
Prefeitura
Prefeituras
Presidenta
Presidente
Presidente da República
Presidente da República do Brasil
PRESIDENTE TEMER
Presídio
PRF
Processo Seletivo
Protesto
Protestos
Protestos...
PUBLICIDADES
Redes Sociais
Religião
Revista
Riacho da Cruz
Rodolfo Fernandes
Rosalba Ciarlini
Salário
Saúde
Saúde Pública
Seca
Secretário de Saúde
Secretário(a) de SPRN
Segurança Pública
Segurança Pública RN
Senado Federal
Senador
Senador(a)
Servidores do estado do RN
Servidores Federais
Servidores municipais
Severiano Melo
SOCIAL
STF
Taboleiro Grande
Tecnologia
Televisão
Trabalhador
Tragédia
Umarizal
vereador(a)
VEREADORES
Vestibular
Vice governador
Vice Presidente da República do Brasil
Vice-Prefeito(a)
VÍDEO
Violência

Política: Relator diz que houve abuso de poder da chapa Dilma-Temer


O ministro Herman Benjamin, relator do caso no julgamento do pedido de cassação da chapa Dilma-Temer, das eleições de 2014, no plenário do TSE em Brasília - 08/06/2017 (Evaristo Sá/AFP)
O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin, relator do processo da chapa Dilma-Temer, afirmou nesta quinta-feira que houve abuso de poder político e econômico na campanha vitoriosa da eleição de 2014. A declaração foi feita durante o voto do relator, cuja leitura deve continuar amanhã após 10 horas de sessão nesta quinta-feira.


Benjamin disse reconhecer a procedência da ação movida pelo PSDB, em dezembro de 2014, ao citar pagamentos feitos aos marqueteiros do PT João Santana e Mônica Moura por empresas que foram beneficiadas em contratos de navios-sonda da Petrobras. “Trata-se de abuso de poder político e ou econômico em sua forma continuada, cujos impactos são sentidos por muito tempo no sistema político eleitoral”, disse o ministro.

Para apontar a “absoluta coerência” das provas reunidas nos autos, ele citou os depoimentos dos publicitários, que receberam o dinheiro sujo; do engenheiro da Keppel Fels Zwi Skornicki, que fez os pagamentos; e do ex-gerente da Área Internacional da Petrobras, Pedro Barusco, que também levou parte da propina. “É um episódio em que o ciclo de pagador e recebedor está completo”, concluiu.

Esta era uma das partes principais da argumentação do ministro. Outra se refere às delações dos executivos da Odebrecht, cuja explanação ele começou a fazer hoje e deve terminar amanhã. De maneira enfática, Benjamin afirmou que a defesa de Dilma e Temer querem retirar as delações do processo porque as provas são “oceânicas”. “São depoimentos, documentos, informações passadas por autoridades estrangeiras por meio de cooperação internacional. Essa é a razão”.


Assim como na quarta-feira, boa parte do tempo da sessão de hoje foi dominada pela discussão sobre se as delações da empreiteira deveriam ou não ser consideradas na ação. Logo de manhã, a maioria dos ministros (4 dos 7) deu indicativos de que votará pelo descarte dos depoimentos por entender que eles não fazem parte do objeto inicial da ação. São eles Gilmar Mendes, Napoleão Nunes Maia Filho, Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira. Do outro lado, estão Benjamin, Luiz Fux e Rosa Weber.

Benjamin os rebateu, dizendo que o pedido originário de 2014 falava de financiamento ilícito por empreiteiras que contratavam com a Petrobras, entre elas a Odebrecht. Segundo ele, seria impossível colocar na petição original fatos que só seriam desvendados posteriormente pela Operação Lava Jato e que até então eram encobertos por “uma muralha da China”, referindo-se ao sofisticado sistema desenvolvido pela empreiteira para despistar os repasses.

“Nunca mais nós teremos a oportunidade de nos deparar com fatos como esses. Suspeito que eles nunca mais chegarão ao Tribunal Superior Eleitoral. É um milagre que nós estejamos hoje aqui apurando esses fatos”, afirmou ele.

Boa parte da discussão desta quinta também girou sobre o caixa 1 e o caixa 2 pagos na campanha de 2014. Dois ministros — Gonzaga e Vieira — defenderam que só iriam considerar as doações oficiais à chapa, travestidas de propina, pois a ação só tratava de caixa 1. O relator os rebateu afirnamdno que o TSE existe justamente para deliberar sobre repasses não declarados, e que, no caso da Odebrecht, era impossível separar os dois caixas.

“Para cassação de mandatos, não há a necessidade do recurso ser derivado de propina. Para a cassação de mandatos, basta que o recurso, limpinho em todos os outros sentido, se é que isso é possível, não tenha sido declarado”, concluiu Benjamin.

Veja

www.blogclaudiooliveira.com

Aqui você fica bem informado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

FAÇA UMA PESQUISA NO BLOGUE