[Notícias][6]

"JUSTIÇA"
"PREFEITÁVEL"
"Religião e Política"
´Polícia
2014
Ação Social
acidente
Advogado(s)
AGENDA DE HENRIQUE ALVES
AGENDA DOS CANDIDATOS
Agricultura
ANIVERSARIANTE DO DIA
Apodí
Aposentados
Aposentados...
Artísta
Artístas
Assalto(s)
Assu
Ator
Atriz
Bancos
Bancos/Financeiras
BELEZAS
BLO
Blogueiro
BRASIL
Brasília
Câmara dos Deputados
Câmara e Senado
CAMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL/SENADO FEDERAL
Câmara Municipal
CAMPANHA
Cantor
Cantora
cantores
Caraúbas
Carnaval
Celebridades
Chuva
Cidades
Ciência
Comunicação
Comunicado
Concurso Público
Congresso
Consumidor
CONVITE
COPA DO MUNDO/2014
Correios
CORRUPÇÃO
COTIDIANO
crime
Cultura
Curiosidades
Cursos
DADOS
Datas Comemorativas
Debate ao Governo
Debate Presidencial
Defesa Civil
DENÚNCIA
DEPUTADA FEDERAL
Deputado
Deputados Estaduais do RN
Dia a dia...
Dicas
Dilma
Drogas
Economia
Econômia
educação
Educadores
Eleições
Eleições 2014
Eleições 2014/RN
Eleições 2016
Eleições Municipais 2016
Eleições Municipais Segundo Turno
Eleições Presidencial
Eleições Suplementares
Emenda Parlamentar
Emprego
ENQUETE
Ensaio
Esporte
Estatísticas
Evento
EVENTOS
EX DEPUTADO
Ex governador
Ex Ministro
Ex Prefeito(a)
Ex presidente
Facebook
Famosos
Felipe Guerra
Feriados
FESTAS
Forró
Futebol
Gerais no RN
Governador
Governador do RN
Governadores
Governo
Governo do RN
Governo Federal
Greve
Henrique Alves
Humor
Humoristas
Impeachment
Incendio
Incêndio
Industria
Internet
Investigação
IPVA
itaú
ITAÚ/RN
Jogadores
Juiz(a)
JUS
Justiça
JUSTIÇA ELEITORAL
Leilão
Leis
LEVANTAMENTO
LEVANTAMENTO...
LGBT
LIGEIRINHAS...
Loteria
Martins
Médico
MENSALÃO
Ministro
Ministros
MMN
Mossoró
MP/RN
MPF
MPF/RN
MULTINÍVEL-MMN
Mundo
Mundo Animal
Natal
Natureza!
Nordeste
Nota de Esclarecimento.
Nota de Repúdio
Palestra
PATU
Pau dos ferros
Pesquisa
PIS/PASEP
Poder
Poder Legislativo Municipal
POL ROD ESTADUAL DO RN
POL TECNICA
polícia
POLICIA AMBIENTAL
POLÍCIA AMBIENTAL
Polícia Civil
Polícia Federal
Polícia Militar
POLICIA MILITAR DO RN
POLÍCIA ROD FEDERAL
POLÍCIAS
política
política do RN
Políticos
Políticos do rn
PREFEITÁVEIS
Prefeito
Prefeito(a)
Prefeitos
Prefeitura
Prefeituras
Presidenta
Presidente
Presidente da República
Presidente da República do Brasil
PRESIDENTE TEMER
Presídio
PRF
Processo Seletivo
Protesto
Protestos
Protestos...
PUBLICIDADES
Redes Sociais
Religião
Revista
Riacho da Cruz
Rodolfo Fernandes
Rosalba Ciarlini
Salário
Saúde
Saúde Pública
Seca
Secretário de Saúde
Secretário(a) de SPRN
Segurança Pública
Segurança Pública RN
Senado Federal
Senador
Senador(a)
Servidores do estado do RN
Servidores Federais
Servidores municipais
Severiano Melo
SOCIAL
STF
Taboleiro Grande
Tecnologia
Televisão
Trabalhador
Tragédia
Umarizal
vereador(a)
VEREADORES
Vestibular
Vice governador
Vice Presidente da República do Brasil
Vice-Prefeito(a)
VÍDEO
Violência

JANOT DIZ QUE VAI MANTER RITMO DE DENÚNCIAS E INVESTIGAÇÕES


O procurador geral da República, Rodrigo Janot, participa do congresso da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) na Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo -01/07/2017 (Nelson Antoine/Folhapress)

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, declarou neste sábado, em São Paulo, que, até o dia 17 de setembro, quando deixará a chefia do Ministério Público Federal, manterá o ritmo das investigações da Operação Lava Jato e as apurações desencadeadas a partir das delações premiadas de executivos do Grupo J&F. “Enquanto houver bambu, lá vai flecha” afirmou Janot, que participou de uma das mesas de debate do 12º Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).“No dia 18 entrego a caneta e a cadeira. Até lá, a caneta está na minha mão e vou continuar nesse ritmo em que estou”, disse o procurador-geral.

Questionado sobre sua sucessora na PGR, a subprocuradora Raquel Dodge, uma adversária interna, Rodrigo Janot disse ter com ela apenas “divergências de entendimento com”. “Dizem que sou inimigo dela. Não tenho nada contra a doutora Raquel. Nós temos divergências de entendimento. Ela compôs a lista tríplice, votada maciçamente por colegas. As divergências são normais”, declarou.

A respeito da indicação de Dodge pelo presidente Michel Temer (PMDB), nesta semana, Janot afirmou que “a escolha foi legítima”. “O importante é que o nome seja escolhido dentro da lista, e isso ele fez. Isso é importante. A escolha foi legítima”, ponderou o procurador-geral, cujo candidato, o subprocurador Nicolao Dino, foi o mais votado na lista da Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR), com 621 votos, ante os 587 de Raquel, segunda mais votada.

Apesar das palavras de Rodrigo Janot, ele e sua sucessora nutrem um desapreço recíproco. Como informa a edição desta semana de VEJA, desde que Janot chegou ao comando da PGR, há pouco menos de quatro anos, Raquel se insurge contra o estilo de sua administração, que considera extremamente autoritário e pouco agregador.


Confrontado com uma declaração recente da sucessora, de que não caberia ao Ministério Público Federal dosar a pena de delatores premiados por meio dos acordos de colaboração, Janot foi irônico. “Não adianta eu chegar ao colaborador e dizer: ‘meu amigo Joesley, vou te propor um acordo. Vou lhe dar uma caixa de bombom Garoto. Você gosta de pão de mel? Vou te dar uma caixa de pão de mel. Lá na minha terra [Minas Gerais], a gente gosta de torresmo com cachaça. Quer um torresmo com cachaça?’”, brincou o procurador-geral da República.

“Nos Estados Unidos, onde ela [Raquel Dodge] estudou, o acordo é muito mais amplo. Na Itália, onde estudei, o acordo é muito mais amplo que aqui. A flexibilidade é que comanda, eu preciso ter flexibilidade, senão [o acordo] não avança”, completou.

Criticado no meio jurídico pelo acordo de delação firmado com os delatores da JBS, incluindo os donos do grupo, Joesley e Wesley Batista, que garantiu a eles o direito de não serem denunciados à Justiça, Rodrigo Janot classificou a decisão como uma “escolha de Sofia” (entre uma opção ruim e outra, pior ainda), mas disse que “faria de novo com certeza”.

“Como é que uma pessoa chega, lhe apresenta altas autoridades praticando crime em curso e você não aceita fazer acordo? Você deixou que o crime continuasse a ser praticado”, afirmou Janot, que narrou os termos em que se deu a negociação com Joesley Batista.

Segundo o procurador-geral, ao exigir que não fosse denunciado, Joesley argumentou que, caso fossem acusado e viesse a se tornar réu, apostaria na prescrição dos processos na Justiça. “’Quer uma provinha do que eu tenho?’ E mostrou um trecho da gravação [com o presidente Michel Temer]”, contou o procurador-geral.

Em referência ao flagrante feito pela Polícia Federal do ex-assessor presidencial e ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures carregando uma mala com 500.000 reais em propina da JBS, o procurador declarou que, se o acordo de delação premiada com os executivos do frigorífico não tivesse sido fechado, “mais malas estariam acontecendo a cada semana”.
Retirada de sigilo

A respeito de outra posição de Raquel Dodge, que defende a retirada do sigilo do conteúdo das delações apenas quando o Ministério Público oferecer denúncia decorrente delas, Rodrigo Janot ponderou que essa determinação, expressa na lei das delações premiadas, nem sempre pode ser cumprida.

Ele citou, sem nomeá-lo, um delator que pediu levantamento de sigilo por motivos de segurança. “Não posso me agarrar nessa tábua. [O sigilo é retirado] com a denúncia, como está previsto na lei, mas há outras hipóteses que levam ao levantamento, e isso tem que acontecer”, disse Janot.

About Author Mohamed Abu 'l-Gharaniq

when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book. It has survived not only five centuries.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

FAÇA UMA PESQUISA NO BLOGUE