[Notícias][6]

"JUSTIÇA"
"PREFEITÁVEL"
"Religião e Política"
´Polícia
2014
Ação Social
acidente
Advogado(s)
AGENDA DE HENRIQUE ALVES
AGENDA DOS CANDIDATOS
Agricultura
ANIVERSARIANTE DO DIA
Apodí
Aposentados
Aposentados...
Artísta
Artístas
Assalto(s)
Assu
Ator
Atriz
Bancos
Bancos/Financeiras
BELEZAS
BLO
Blogueiro
BRASIL
Brasília
Câmara dos Deputados
Câmara e Senado
CAMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL/SENADO FEDERAL
Câmara Municipal
CAMPANHA
Cantor
Cantora
cantores
Caraúbas
Carnaval
Celebridades
Chuva
Cidades
Ciência
Comunicação
Comunicado
Concurso Público
Congresso
Consumidor
CONVITE
COPA DO MUNDO/2014
Correios
CORRUPÇÃO
COTIDIANO
crime
Cultura
Curiosidades
Cursos
DADOS
Datas Comemorativas
Debate ao Governo
Debate Presidencial
Defesa Civil
DENÚNCIA
DEPUTADA FEDERAL
Deputado
Deputados Estaduais do RN
Dia a dia...
Dicas
Dilma
Drogas
Economia
Econômia
educação
Educadores
Eleições
Eleições 2014
Eleições 2014/RN
Eleições 2016
Eleições Municipais 2016
Eleições Municipais Segundo Turno
Eleições Presidencial
Eleições Suplementares
Emenda Parlamentar
Emprego
ENQUETE
Ensaio
Esporte
Estatísticas
Evento
EVENTOS
EX DEPUTADO
Ex governador
Ex Ministro
Ex Prefeito(a)
Ex presidente
Facebook
Famosos
Felipe Guerra
Feriados
FESTAS
Forró
Futebol
Gerais no RN
Governador
Governador do RN
Governadores
Governo
Governo do RN
Governo Federal
Greve
Henrique Alves
Humor
Humoristas
Impeachment
Incendio
Incêndio
Industria
Internet
Investigação
IPVA
itaú
ITAÚ/RN
Jogadores
Juiz(a)
JUS
Justiça
JUSTIÇA ELEITORAL
Leilão
Leis
LEVANTAMENTO
LEVANTAMENTO...
LGBT
LIGEIRINHAS...
Loteria
Martins
Médico
MENSALÃO
Ministro
Ministros
MMN
Mossoró
MP/RN
MPF
MPF/RN
MULTINÍVEL-MMN
Mundo
Mundo Animal
Natal
Natureza!
Nordeste
Nota de Esclarecimento.
Nota de Repúdio
Palestra
PATU
Pau dos ferros
Pesquisa
PIS/PASEP
Poder
Poder Legislativo Municipal
POL ROD ESTADUAL DO RN
POL TECNICA
polícia
POLICIA AMBIENTAL
POLÍCIA AMBIENTAL
Polícia Civil
Polícia Federal
Polícia Militar
POLICIA MILITAR DO RN
POLÍCIA ROD FEDERAL
POLÍCIAS
política
política do RN
Políticos
Políticos do rn
PREFEITÁVEIS
Prefeito
Prefeito(a)
Prefeitos
Prefeitura
Prefeituras
Presidenta
Presidente
Presidente da República
Presidente da República do Brasil
PRESIDENTE TEMER
Presídio
PRF
Processo Seletivo
Protesto
Protestos
Protestos...
PUBLICIDADES
Redes Sociais
Religião
Revista
Riacho da Cruz
Rodolfo Fernandes
Rosalba Ciarlini
Salário
Saúde
Saúde Pública
Seca
Secretário de Saúde
Secretário(a) de SPRN
Segurança Pública
Segurança Pública RN
Senado Federal
Senador
Senador(a)
Servidores do estado do RN
Servidores Federais
Servidores municipais
Severiano Melo
SOCIAL
STF
Taboleiro Grande
Tecnologia
Televisão
Trabalhador
Tragédia
Umarizal
vereador(a)
VEREADORES
Vestibular
Vice governador
Vice Presidente da República do Brasil
Vice-Prefeito(a)
VÍDEO
Violência

"SE O GOVERNO TEMER SOBREVIVER ATÉ O MÊS DE SETEMBRO,VAI ATÉ O FIM DO MANDATO"



Por ISTO É
O britânico Anthony Pereira estuda o Brasil desde os anos 1980, trabalhando em universidades como a americana Harvard e a britânica King’s College, onde, atualmente, dirige o centro de estudos brasileiros. Para ele, a instabilidade política gera ansiedade. Mas, se resultar em reformas, a confiança voltará. Pereira esteve em São Paulo participando do projeto Um Brasil, plataforma de conteúdo patrocinada pela FecomercioSP. Confira os principais trechos da entrevista:Como está a imagem do Brasil no exterior?
Há muita ansiedade. Eu converso com investidores, estudantes e acadêmicos. Há dúvidas sobre instabilidade e corrupção. Mas isso tem dois lados. Ao mesmo tempo em que se descobrem os casos, você tem a estrutura da Lava Jato que está condenando as pessoas. Quando comecei a visitar o Brasil, nos anos 1980, era impensável um político receber uma sentença de 14 anos (caso do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral). Se a Lava Jato resultar em reformas, a confiança no exterior vai aumentar.

Qual será o legado da operação Lava Jato?
Não estou fugindo da pergunta, mas talvez seja cedo para julgar. Ao mesmo tempo em que a Lava Jato está revelando essas relações promíscuas entre empresas e políticos, o velho sistema e seus atores estão tentando se sustentar. São duas correntes fortes em choque. Mas é muito importante que deixe um legado positivo.

O Brasil sai fortalecido ou mais desacreditado?
Em certo sentido, há uma conquista importante, por meio dos órgãos investigadores, como Ministério Público e Polícia Federal. Mas depende muito da sociedade civil. Se ela ficar passiva e não reagir, ou não se expressar nas urnas, as más práticas podem voltar.

Há um embate entre os poderes, como consequência da Lava Jato. Isso representa um risco para a sociedade brasileira?
Há o risco de o Congresso passar leis para diminuir a autonomia do Judiciário. Um passo importante seria uma reforma do sistema partidário. Não é suficiente condenar eticamente, é preciso substituir o sistema velho por outro.

O Judiciário acabou se apropriando de espaços da política?
É interessante no Brasil o fato de que muita gente fala sobre a judicialização da política, mas, por outro lado, também falam da politização do judiciário. Às vezes eu acho que alguns atores, como juízes, agem como políticos. Agora, em geral, o trabalho desses órgãos está sendo muito importante.

O modelo de presidencialismo de coalizão está esgotado?
O atual sistema custa demais. Tem muitos partidos com menos de 1% do voto popular. Criar uma cláusula de barreira, e nem precisa ser muito radical, vai reduzir o número de partidos e baixar o custo das transações entre o poder Executivo e o Congresso e também o custo de se chegar a uma maioria.

Diante desse cenário, ainda há ideologia política no Brasil?
É um bom debate. Há quem alegue que não existe esquerda ou direita. Eu acho que, em algumas áreas, há sim. Há quem queira um Estado mais intervencionista e quem seja mais liberal. Isso é um aspecto clássico de ideologia. No mesmo sentido, tem as questões sociais, como o casamento gay e o aborto. Agora, tem uma ala conservadora que nega o direito dos partidos de esquerda existirem. Do outro lado, há quem considere a elite como ‘traidora’. Ambas as posições são ruins.

A estrutura do Estado, especialmente nas empresas estatais, precisa de uma menor presença partidária?
Eu acho que sim. Não me refiro ao controle financeiro das estatais. O presidente do Brasil é responsável por indicar a contratação de 20 mil pessoas. Isso é excepcional. O presidente americano indica quatro mil. O primeiro-ministro britânico indica muito pouco, porque o serviço público chega até ao segundo nível na hierarquia. É um bom momento para o Brasil refletir sobre isso.

Em relação ao governo Temer, apesar de sua baixa popularidade, é possível tocar as reformas?
Acho que sim. O déficit fiscal ainda é grande, apesar de estar menor. Isso gera uma janela para o presidente fazer as reformas.

O presidente tem fôlego político para chegar ao fim do mandato?
Eu acredito que tem. Com a ressalva de que, talvez, sem ser capaz de fazer todas as reformas. Ainda não sabemos o custo que ele terá para segurar a base no Congresso e rejeitar as denúncias do Rodrigo Janot. Minha aposta é que, se o governo Temer sobreviver até setembro, vai até o fim do mandato.

www.blogclaudiooliveira.com

Aqui você fica bem informado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

FAÇA UMA PESQUISA NO BLOGUE