[Notícias][6]

"JUSTIÇA"
"PREFEITÁVEL"
"Religião e Política"
´Polícia
2014
Ação Social
acidente
Advogado(s)
AGENDA DE HENRIQUE ALVES
AGENDA DOS CANDIDATOS
Agricultura
ANIVERSARIANTE DO DIA
Apodí
Aposentados
Aposentados...
Artísta
Artístas
Assalto(s)
Assu
Ator
Atriz
Bancos
Bancos/Financeiras
BELEZAS
BLO
Blogueiro
BRASIL
Brasília
Câmara dos Deputados
Câmara e Senado
CAMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL/SENADO FEDERAL
Câmara Municipal
CAMPANHA
Cantor
Cantora
cantores
Caraúbas
Carnaval
Celebridades
Chuva
Cidades
Ciência
Comunicação
Comunicado
Concurso Público
Congresso
Consumidor
CONVITE
COPA DO MUNDO/2014
Correios
CORRUPÇÃO
COTIDIANO
crime
Cultura
Curiosidades
Cursos
DADOS
Datas Comemorativas
Debate ao Governo
Debate Presidencial
Defesa Civil
DENÚNCIA
DEPUTADA FEDERAL
Deputado
Deputados Estaduais do RN
Dia a dia...
Dicas
Dilma
Drogas
Economia
Econômia
educação
Educadores
Eleições
Eleições 2014
Eleições 2014/RN
Eleições 2016
Eleições Municipais 2016
Eleições Municipais Segundo Turno
Eleições Presidencial
Eleições Suplementares
Emenda Parlamentar
Emprego
ENQUETE
Ensaio
Esporte
Estatísticas
Evento
EVENTOS
EX DEPUTADO
Ex governador
Ex Ministro
Ex Prefeito(a)
Ex presidente
Facebook
Famosos
Felipe Guerra
Feriados
FESTAS
Forró
Futebol
Gerais no RN
Governador
Governador do RN
Governadores
Governo
Governo do RN
Governo Federal
Greve
Henrique Alves
Humor
Humoristas
Impeachment
Incendio
Incêndio
Industria
Internet
Investigação
IPVA
itaú
ITAÚ/RN
Jogadores
Juiz(a)
JUS
Justiça
JUSTIÇA ELEITORAL
Leilão
Leis
LEVANTAMENTO
LEVANTAMENTO...
LGBT
LIGEIRINHAS...
Loteria
Martins
Médico
MENSALÃO
Ministro
Ministros
MMN
Mossoró
MP/RN
MPF
MPF/RN
MULTINÍVEL-MMN
Mundo
Mundo Animal
Natal
Natureza!
Nordeste
Nota de Esclarecimento.
Nota de Repúdio
Palestra
PATU
Pau dos ferros
Pesquisa
PIS/PASEP
Poder
Poder Legislativo Municipal
POL ROD ESTADUAL DO RN
POL TECNICA
polícia
POLICIA AMBIENTAL
POLÍCIA AMBIENTAL
Polícia Civil
Polícia Federal
Polícia Militar
POLICIA MILITAR DO RN
POLÍCIA ROD FEDERAL
POLÍCIAS
política
política do RN
Políticos
Políticos do rn
PREFEITÁVEIS
Prefeito
Prefeito(a)
Prefeitos
Prefeitura
Prefeituras
Presidenta
Presidente
Presidente da República
Presidente da República do Brasil
PRESIDENTE TEMER
Presídio
PRF
Processo Seletivo
Protesto
Protestos
Protestos...
PUBLICIDADES
Redes Sociais
Religião
Revista
Riacho da Cruz
Rodolfo Fernandes
Rosalba Ciarlini
Salário
Saúde
Saúde Pública
Seca
Secretário de Saúde
Secretário(a) de SPRN
Segurança Pública
Segurança Pública RN
Senado Federal
Senador
Senador(a)
Servidores do estado do RN
Servidores Federais
Servidores municipais
Severiano Melo
SOCIAL
STF
Taboleiro Grande
Tecnologia
Televisão
Trabalhador
Tragédia
Umarizal
vereador(a)
VEREADORES
Vestibular
Vice governador
Vice Presidente da República do Brasil
Vice-Prefeito(a)
VÍDEO
Violência

BRASIL: O País da impunidade Criminosos notórios e confessos, que deveriam estar atrás das grades, contratam bancas de advogados caríssimas, recebem privilégios e contam com a lentidão da Justiça para permanecerem soltos


1 de 4 João Santana e Mônica Moura delataram os crimes cometidos e curtem os milhões em dinheiro sujo que ganharam

Foto: Alexandre Cassiano/Agência O Globo

2 de 4 Mulher do ex-governador Cabral, que roubou mais de R$ 500 milhões, vive em prisão domiciliar em seu luxuoso apartamento

Foto: Alexandre Cassiano/Agência O Globo

3 de 4 Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado Eduardo Cunha, gasta livremente o dinheiro que o marido roubou da Petrobras

Foto: Alexandre Cassiano/Agência O Globo

4 de 4 Enquanto manobra juridicamente para não voltar logo para a cadeia, Dirceu continua influente em Brasília

Foto: Alexandre Cassiano/Agência O Globo
A Operação Lava Jato é um ponto fora da curva. Pela primeira vez na história do País, autoridades e empresários poderosos foram parar atrás das grades por crimes de corrupção ativa e passiva. Empreiteiros, políticos, diretores da Petrobras não conseguiram fugir da caneta pesada do juiz Sergio Moro. Mas, a bem da verdade, nem mesmo a Lava Jato conseguiu acabar de vez com uma marca registrada do País: a impunidade. Com quatro instâncias de julgamento, pletora de recursos, lentidão do Judiciário, tudo colabora para que se escape das penas da lei. Não faltam exemplos de gente condenada, mas que está livre, leve e solta.CANETA PESADA Moro já condenou a maioria deles, mas réus importantes conseguem a liberdade nos tribunais (Crédito:Eduardo Anizelli/Folhapress)

O ex-ministro José Dirceu, que já deveria ter voltado para a cadeia, goza de plena liberdade em Brasília e nos fins de semana vai à festas e shows até mesmo com a camisa do Corinthians. Dirceu já foi condenado em segunda instância, o que obriga a execução da pena, conforme entendimento recente do Supremo Tribunal Federal. Mas a possibilidade de embargos de declaração retarda sua volta para a prisão. Não há prazo para o caso retornar às mãos do juiz Sérgio Moro para que ele expeça novo mandado de prisão contra Dirceu. Vale lembrar que o ex-ministro é reincidente: condenado no Mensalão em 2012, voltou a ser punido na Lava Jato. Não bastasse isso, diz o Ministério Público, Dirceu recebeu propinas mesmo depois do julgamento do Mensalão. Não se emenda.

BENEFÍCIOS

A advogada Adriana Ancelmo, esposa do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e condenada a 18 anos de prisão, usufrui do regime de prisão domiciliar, que ela cumpre em seu luxuoso apartamento no Leblon. Ela conseguiu o benefício para cuidar dos filhos, de 11 e 14 anos. A lei permite a prisão domiciliar a mulheres grávidas e/ou que tenham filhos de até 12 anos. Na prática, a realidade é outra. O caso de Adriana é uma exceção, um privilégio, graças à condição financeira e ao status da ex-primeira-dama do Rio. Segundo dados do Infopen, o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias, das 37 mil mulheres presas no País, pelo menos 80% são mães. Por que apenas Adriana Ancelmo conseguiu o direito de ir para casa cuidar dos filhos? É mais um caso da diferença na aplicação da lei entre os ricos e os pobres. Coisa que bons advogados resolvem nos tribunais.

O empresário Eike Batista, que já foi o homem mais rico do país, acusado de envolvimento no esquema de corrupção de Sérgio Cabral, passou menos de quatro meses na cadeia. Foram no mínimo US$ 16,5 milhões em propinas pagas por Eike a Cabral. Hoje, em prisão domiciliar, o empresário mora numa mansão na capital fluminense. Na imensa sala, Eike ostenta carrões que valem milhões. Situação mais peculiar vive a jornalista Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado Eduardo Cunha, preso em Curitiba. Cláudia foi beneficiada pela corrupção praticada pelo marido, mas foi inocentada por falta de provas, apesar de ostentar na internet fotos fazendo compras milionárias no exterior. Leva vida boa em sua mansão no Rio.PRISÃO Eike Batista está em “prisão domiciliar”. Basta observar a sala de confinamento acima para ver como é chata a vida do corrupto (Crédito:PAULO VITALE)

SÓ UM PRESO

E o que dizer dos executivos da Odebrecht que confessaram crimes escabrosos? Foram firmados 78 acordos de delação premiada com o Ministério Público, mas em apenas um deles há cumprimento de pena em regime fechado. Os executivos confessaram pagamentos de propina em onze países, além do Brasil, mas apenas o ex-presidente Marcelo Odebrecht está preso (e deixará a cadeia daqui a dois meses para o regime semi-aberto). Alguns diretores da Odebrecht sequer foram processados.

Na JBS, a situação não é muito diferente. A empresa ganhou os holofotes da mídia em razão das trapalhadas do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que concedeu benefícios excessivos nas colaborações de sete executivos. Depois, Janot pediu a rescisão do acordo ao descobrir que os delatores omitiram crimes e informações. Do grande grupo empresarial, maior produtor de carne do mundo, apenas três pessoas estão presas: os sócios e irmãos Joesley e Wesley Batista, além do ex-diretor Ricardo Saud. Não fossem áudios gravados por engano entre Joesley e Saud, dificilmente eles teriam sido presos, e muito possivelmente, estariam aproveitando da impunidade brasileira em apartamentos de luxo no coração de Manhattan, em Nova York.

Mesmo desfrutando de prisão domiciliar, graças a acordo de delação, o casal de marqueteiros do PT, João Santana e Mônica Moura decidiu por uma regalia ainda maior. Alegando dificuldades financeiras, pediram ao juiz Sergio Moro que liberasse R$ 10 milhões bloqueados em decorrência dos crimes praticados. Moro, como não podia ser diferente, negou o pedido e os recursos permanecem retidos. Afinal de contas, até a impunidade tem seus limites.

Como escapar da prisão apenas com um bom advogado
Quatro instâncias judiciais:
Depois de uma condenação em primeiro grau, o réu pode acionar outras três instâncias superiores (o Tribunal de Justiça, o STJ e o STF)

Excesso de recursos:
Há uma enorme variedade de recursos da qual as defesas podem lançar mão para adiar a execução da pena, o que pode levar anos. Em muitos casos, as penas prescrevem

Lentidão da Justiça:
A grande quantidade de ações em tramitação no Poder Judiciário atrasa julgamentos que podem levar os condenados à prisão

Delação premiada:
Os acordos de colaboração costumam prever o cumprimento das penas em regimes diferenciados, sobretudo em prisão domiciliar, normalmente mansões que mais parecem clube social.

Da ISTO É

www.blogclaudiooliveira.com

Aqui você fica bem informado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

FAÇA UMA PESQUISA NO BLOGUE