[Notícias][6]

"JUSTIÇA"
"PREFEITÁVEL"
"Religião e Política"
´Polícia
2014
Ação Social
acidente
Advogado(s)
AGENDA DE HENRIQUE ALVES
AGENDA DOS CANDIDATOS
Agricultura
ANIVERSARIANTE DO DIA
Apodí
Aposentados
Aposentados...
Artísta
Artístas
Assalto(s)
Assu
Ator
Atriz
Bancos
Bancos/Financeiras
BELEZAS
BLO
Blogueiro
BRASIL
Brasília
Câmara dos Deputados
Câmara e Senado
CAMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL
CÂMARA FEDERAL/SENADO FEDERAL
Câmara Municipal
CAMPANHA
Cantor
Cantora
cantores
Caraúbas
Carnaval
Celebridades
Chuva
Cidades
Ciência
Comunicação
Comunicado
Concurso Público
Congresso
Consumidor
CONVITE
COPA DO MUNDO/2014
Correios
CORRUPÇÃO
COTIDIANO
crime
Cultura
Curiosidades
Cursos
DADOS
Datas Comemorativas
Debate ao Governo
Debate Presidencial
Defesa Civil
DENÚNCIA
DEPUTADA FEDERAL
Deputado
Deputados Estaduais do RN
Dia a dia...
Dicas
Dilma
Drogas
Economia
Econômia
educação
Educadores
Eleições
Eleições 2014
Eleições 2014/RN
Eleições 2016
Eleições Municipais 2016
Eleições Municipais Segundo Turno
Eleições Presidencial
Eleições Suplementares
Emenda Parlamentar
Emprego
ENQUETE
Ensaio
Esporte
Estatísticas
Evento
EVENTOS
EX DEPUTADO
Ex governador
Ex Ministro
Ex Prefeito(a)
Ex presidente
Facebook
Famosos
Felipe Guerra
Feriados
FESTAS
Forró
Futebol
Gerais no RN
Governador
Governador do RN
Governadores
Governo
Governo do RN
Governo Federal
Greve
Henrique Alves
Humor
Humoristas
Impeachment
Incendio
Incêndio
Industria
Internet
Investigação
IPVA
itaú
ITAÚ/RN
Jogadores
Juiz(a)
JUS
Justiça
JUSTIÇA ELEITORAL
Leilão
Leis
LEVANTAMENTO
LEVANTAMENTO...
LGBT
LIGEIRINHAS...
Loteria
Martins
Médico
MENSALÃO
Ministro
Ministros
MMN
Mossoró
MP/RN
MPF
MPF/RN
MULTINÍVEL-MMN
Mundo
Mundo Animal
Natal
Natureza!
Nordeste
Nota de Esclarecimento.
Nota de Repúdio
Palestra
PATU
Pau dos ferros
Pesquisa
PIS/PASEP
Poder
Poder Legislativo Municipal
POL ROD ESTADUAL DO RN
POL TECNICA
POLICIA
polícia
POLICIA AMBIENTAL
POLÍCIA AMBIENTAL
Polícia Civil
Polícia Federal
Polícia Militar
POLICIA MILITAR DO RN
POLÍCIA ROD FEDERAL
POLÍCIAS
POLITICA
política
política do RN
Políticos
Políticos do rn
PREFEITÁVEIS
Prefeito
Prefeito(a)
Prefeitos
Prefeitura
Prefeituras
Presidenta
Presidente
Presidente da República
Presidente da República do Brasil
PRESIDENTE TEMER
Presídio
PRF
Processo Seletivo
Protesto
Protestos
Protestos...
PUBLICIDADES
Redes Sociais
Religião
Revista
Riacho da Cruz
Rodolfo Fernandes
Rosalba Ciarlini
Salário
Saúde
Saúde Pública
Seca
Secretário de Saúde
Secretário(a) de SPRN
Segurança Pública
Segurança Pública RN
Senado Federal
Senador
Senador(a)
Servidores do estado do RN
Servidores Federais
Servidores municipais
Severiano Melo
SOCIAL
STF
Taboleiro Grande
Tecnologia
Televisão
Trabalhador
Tragédia
Umarizal
vereador(a)
VEREADORES
Vestibular
Vice governador
Vice Presidente da República do Brasil
Vice-Prefeito(a)
VÍDEO
Violência

Fila no SUS para cirurgia na próstata como a de Temer tem mais de 8 mil pedidos

presidente Michel Temer voltou nesta quinta-feira ao Hospital Sírio-Libanês para passar por exames e consultas que avaliarão seu estado de saúde após duas cirurgias urológicas realizadas em 2017. Segundo seus médicos, os problemas de saúde pelo qual o presidente passou no ano passado são esperados em sua idade - ele tem 77 anos.

Raimundo Oliveira conta ter esperado dez anos e passado por quatro hospitais para conseguir fazer cirurgia urológicaFoto: BBCBrasil.com
A hiperplasia prostática benigna (HPB) condição com a qual Temer foi diagnosticado em outubro, tem incidência de 90% entre homens com 85 anos, segundo a Associação Americana de Urologia - ainda que nem todos sofram com os sintomas tampouco com eventuais complicações do tratamento, que ocorreram no caso do titular do Planalto.

Mas, nas alas dos hospitais públicos brasileiros, tão comum quanto o diagnóstico da hiperplasia pode ser a dificuldade em obter o tratamento ideal em um prazo razoável. Que o diga o sergipano Raimundo Oliveira, de 69 anos, que conta ter esperado dez anos para se submeter à cirurgia que poderia resolver seu problema.

Em dezembro, ele finalmente deu fim à sua cruzada pela operação - que incluiu a passagem por quatro unidades de saúde e foi concluída no Centro de Referência para Saúde do Homem, abrigado no Hospital de Transplantes Dr. Euryclides de Jesus Zerbini, na capital paulista.

"Não desejo para ninguém este sofrimento. Somente em um hospital, fiquei cinco anos na fila de espera. E a cada dia que passa, piora", diz o sergipano, aposentado do setor metalúrgico e morador da capital paulista.

Em 2017, Temer foi internado pela primeira vez em outubro, por complicações urológicasFoto: Reuters / BBCBrasil.com

A situação vivida por Oliveira se repete entre milhares de brasileiros, segundo dados extraídos pela BBC Brasil de um levantamento divulgado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em dezembro. O conselho solicitou, por meio da Lei de Acesso à Informação, o volume da fila de espera para cirurgias eletivas (aquelas agendadas e não urgentes) nas redes estaduais e municipais das capitais em junho de 2017.

Os dados repassados por 16 Estados e 10 capitais indicam que, no Brasil, estão à espera pelo menos 8,2 mil pedidos (7.465 nos Estados e 733 nas capitais) de realização do procedimento de ressecção endoscópica de próstata - tratamento cirúrgico tradicional para a hiperplasia e pela qual Temer passou em outubro.

O levantamento não considera o número de pacientes, mas as solicitações - ou seja, um mesmo paciente pode ter mais de um pedido de cirurgia nas redes municipal e estadual.
Hiperplasia de próstata pode chegar aos rins

Ricardo Vita, chefe do Departamento de HPB da Sociedade Brasileira de Urologia, alerta que a realidade é muito mais grave do que a indicadas pelos números, uma vez que há subnotificação e descentralização nos dados sobre o que acontece nas unidades de saúde do país. E, segundo ele, a doença poderia ser controlável. Mas, sem o tratamento adequado, pode levar a problemas de saúde muito mais graves.

A hiperplasia prostática benigna (HPB) leva a um aumento benigno (sem células cancerígenas) da próstata que passa a obstruir a uretra. Assim, o homem pode ter, entre outros sintomas, dificuldade para urinar e infecções.

"A minoria vai para tratamento cirúrgico. Entre as alternativas iniciais, estão modificações comportamentais, como regulação na ingestão de líquidos, e o tratamento com medicamentos. Na outra ponta, em casos mais graves, a bexiga pode enrijecer e o quadro chegar à insuficiência renal", aponta Vita, destacando que a hiperplasia, ainda que tratada, é uma condição permanente.

Alguns casos de hiperplasia de próstata exigem intervenção cirúrgica como a ressecção endoscópica | Foto: Science Photo LibraryFoto: BBCBrasil.com
Foi o que aconteceu com Raimundo Oliveira: o aumento de sua próstata foi tal que passou a afetar a bexiga e o rim, tornando sua cirurgia, indicada inicialmente há uma década, uma emergência. Neste meio tempo, o sergipano precisou usar uma sonda quatro vezes e, sem muitas outras alternativas, conviver com a dor e os transtornos da doença.

"Tem hora que você odeia aquilo [a sonda]. Mas sem ela, talvez você não estivesse mais vivo", lembra o aposentado, referindo-se ao médico que coordenou sua operação como um "filho de Jesus" e o hospital onde ela ocorreu como "nota 1000". "É um desespero. Mas a gente tem que ser criativo em tudo na vida: eu comprava calças muito grandes e andava com a sonda para lá e para cá".

Oliveira relata também dificuldade no acesso às sondas - ele diz ter testemunhado outros pacientes que acabam ficando com elas por muito mais tempo do que o indicado e ter vivido na pele as dificuldades burocráticas para colocar e retirar, na rede pública, o dispositivo.

"A progressão da doença sem tratamento leva a muitas limitações ao paciente, afetando o bem-estar físico, mental, social e profissional", enumera Vita.

Pacientes com hiperplasia de próstata, como o presidente Michel Temer, muitas vezes precisam recorrer a sondas urináriasFoto: Getty Images / BBCBrasil.comO histórico de saúde do presidente

No último dia 30, Michel Temer retirou uma sonda que foi utilizada por pouco mais de duas semanas. Mas ele segue em tratamento, com sessões semanais de dilatação da uretra e ingestão de medicamentos.

Os problemas relacionados à hiperplasia de próstata no presidente se intensificaram em outubro, quando ele passou por sangramentos e retenção urinária - sendo submetido à colocação de uma sonda e à cirurgia de ressecção de próstata, no Sírio-Libanês.

'É um desespero', resume Raimundo Oliveira sobre sua jornada para conseguir passar por uma cirurgia urológicaFoto: BBCBrasil.com

Complicações decorrentes da cirurgia de outubro levaram Temer novamente ao hospital em dezembro, com um quadro de estreitamento da uretra. Uma pequena cirurgia, de uretrotomia interna, foi feita.

"O presidente é uma pessoa extremamente saudável, são intercorrências que ocorrem com qualquer um de nós", assegurou na época o médico Roberto Kalil Filho.

Na rede pública, tais intercorrências esbarram em dificuldades no acesso à cirurgias para a hiperplasia que, de acordo com Ricardo Vita, têm como principais gargalos a falta de equipamentos, insumos e médicos especialistas.

O levantamento realizado pelo Conselho Federal de Medicina, porém, mostra que a fila de espera por 904 mil cirurgias eletivas no país está concentrada em apenas cinco tipos de procedimentos: catarata (113.185); correção de hérnia (95.752); retirada da vesícula (90.275); varizes (77.854); e de amígdalas ou adenoide (37.776).

Temer fez a segunda cirurgia após complicações decorrentes da ressecção de próstataFoto: Reuters / BBCBrasil.com
Para o tratamento da hiperplasia de próstata, o Ministério da Saúde escreveu em nota ter registrado, de janeiro a setembro de 2017, 8.984 procedimentos de ressecção endoscópica de próstata. Em 2016, foram 11.929 destas operações pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A pasta destacou, porém, que a gestão de filas de espera é de responsabilidade dos gestores locais, como as secretarias municipais e estaduais de saúde.

Consultada, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo admitiu, por meio de nota, que "a demanda reprimida por cirurgias eletivas (não urgentes) é uma realidade nacional, causada sobretudo pela defasagem na tabela de valores de procedimentos hospitalares do Ministério da Saúde, congelada há anos e que não cobre os reais valores dos atendimentos".

O órgão estadual ainda acusou o governo federal de deixar de repassar a São Paulo "R$ 1 bilhão de reais relativos a atendimentos feitos na rede pública. Por isso a conta não fecha e há espera de pacientes para cirurgias". E disse que, apesar disso, "nos últimos três anos, o Estado de São Paulo realizou mais de 11,2 mil procedimentos de ressecção endoscópica de próstata".

Do Terra

www.blogclaudiooliveira.com

Aqui você fica bem informado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

FAÇA UMA PESQUISA NO BLOGUE