[Notícias][6]

Bolsonaro detona a Globo e diz que se eleito vai começar investigando o dinheiro investido pelo BNDES



Em certos pontos, Jair Bolsonaro e Lula são extremos que se tocam. Ambos consideram-se, por exemplo, perseguidos pela mídia. No atacado, atacam a imprensa que cultiva o hábito de imprensar. No varejo, ameaçam varejar a maior emissora de TV do país. “Eu tenho uma tara pela Rede Globo”, declarou Bolsonaro nesta terça-feira, em discurso na Associação Comercial, Industrial e Agropecuária da cidade paulista de Registro.Bolsonaro afirmou que, eleito, vai “quebrar o sigilo do BNDES.” Soou enfático: “Pode ter certeza, nós vamos entrar no BNDES. Vamos saber a dívida de todo mundo lá.” Sua curiosidade inclui os devedores estrangeiros e os nacionais —“Em especial a Rede Globo”, realçou, antes de alardear sua obsessão: “Eu tenho uma tara pela Rede Globo, sou apaixonado pela Rede Globo.”

Em timbre irônico, Bolsonaro prosseguiu: “Eu gosto das novelas deles, que arrebentam com as famílias no Brasil. Eu gosto daquela que faz um programa de manhã: Fátima Bernardes. Também sou vidrado em BBB. No meu governo não vai ter dinheiro para valorizar esse pessoal que faz esse tipo de programa. Pode continuar fazendo, não vai ter censura. Mas dinheiro público?!?”

Com a sutileza que lhe é peculiar, Bolsonaro não fez mistério sobre os planos que reserva para o alvo de sua tara. Disse que seu objetivo é “quebrar esse sistema que tá aí.” Nesse ponto, o ex-capitão soou mais extremista do que o ex-sindicalista. Na retórica tóxica de Lula, o sonho da domesticação do noticiário é camuflado sob a definição de “controle social da mídia”.

Se conhece alguma operação em que o BNDES tenha malbaratado dinheiro público numa UTI para logomarcas jornalísticas, Bolsonaro deveria trocar a maledicência pela formalização de uma denúncia. Do contrário, ficará parecendo que o verdadeiro objeto de sua tara é uma coisa muito velha: a ressurreição do Departamento de Imprensa e Propaganda do Estado Novo, uma usina de maquiagem a partir da qual Lourival Fontes fabricou o “pai dos pobres.”

No mais, se a maioria absoluta do eleitorado resolver lhe presentear com a poltrona de presidente, Bolsonaro dispõe de vacinas capazes de imunizá-lo contra as manchetes radioativas. Bastará que o novo presidente conduza sua língua na coleira, produza estabilidade com prosperidade e mantenha seu governo longe dos escaninhos do Ministério Público e do Judiciário.

JOSIAS DE SOUZA

www.blogclaudiooliveira.com

Aqui você fica bem informado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

FAÇA UMA PESQUISA NO BLOGUE