O governador da Bahia, Rui Costa (PT), decidiu cortar o salário dos professores universitários, que estão há quase um mês em greve. A decisão foi confirmada a VEJA pela Secretaria de Comunicação.No dia 4 de abril, os professores da Uneb (Universidade do Estado da Bahia), que é a maior universidade estadual, decretou greve para reivindicar reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Em seguida, os docentes da Uefs (Universidade Estadual de Feira de Santana), Uesb (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia) e Uesc (Universidade Estadual De Santa Cruz) também cruzaram os braços.

Para encerrar com a paralisação, o governo ofereceu 36 milhões de reais para investimentos nas instituições de ensino. Também informou que iria possibilitar a promoção para até 151 professores. O governador tem argumento está no limite da capacidade financeira para remuneração de pessoal e não pode desrespeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Na última quarta-feira, 24, os professores decidiram manter a greve, segundo eles, “por tempo indeterminado, até que o governo estadual faça uma proposta que contemple as revindicações da categoria”.

Veja

0 Comentários