Foto: Minervino Junior/CB/DA Press

O Ministério da Educação (MEC) confirmou a demissão do presidente do Inep, Elmer Vicenzi. O órgão é o responsável por avaliações como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), aplicado a estudantes desde a alfabetização até o Ensino Médio, além dos Censos Escolar e da Educação Superior. Segundo a pasta, a exoneração ocorreu por um pedido próprio. Ele ficou menos de um mês no cargo. A demissão deve sair no Diário Oficial da União (DOU), desta sexta-feira (17).

Vicenzi é ex-delegado da Polícia Federal (PF) e substituiu Marcus Vinicius Rodrigues, demitido em 26 de março deste ano. Ele ainda é especialista em direito penal e fez um MBA em orçamento e gestão pública pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Ele também foi chefe do Serviço de Repressão a Crimes Cibernéticos da Coordenação-Geral de Polícia Fazendária da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado e diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Ele foi a terceira escolha para a área em quase cinco meses. Ainda não se sabe quem ficará no lugar de Elmer Vicenzi.

Disputa
Vicenzi estava em meio a uma disputa com integrantes da procuradoria do Ministério da Educação (MEC), órgão ao qual o Inep é ligado. Ele defendia a transparência dos dados produzidos pelo Inep, como avaliações e indicadores educacionais. havia divergências também em relação ao Enem.


O ex-presidente elogiava da forma como o Enem é atualmente e inutilizou o relatório de uma comissão que foi formada na gestão anterior para analisar a "adequação" das questões. A ideia era a de que o grupo identificasse questões que tivessem "teor ofensivo". Ele chegou a declarar que os itens (como são chamadas as perguntas da prova) são bens públicos e não poderiam ser jogados fora.

* Com informações da Agência Estado

0 Comentários