Crédito da foto: ReproduçãoCidade de Pau dos Ferros, no alto oeste potiguar

A Secretaria Municipal de Saúde de Pau dos Ferros, por meio da Vigilância Epidemiológica, mantém alerta para a ocorrência de um caso confirmado de Leishmaniose Visceral ( LV ), em um homem de 59 anos, que esteve internado no Hospital Regional Doutor Cleodon Carlos de Andrade- Pau dos Ferros- RN.A Secretaria de Saúde, através da Vigilância Epidemiológica, requisitou ao Hospital o prontuário do paciente com sua Declaração de Óbito para confirmação da doença, sendo informado pelos profissionais plantonistas da UTI do referido Hospital que foram colhidas amostras para a realização do tipo de exame específico, cujo resultado acusou confirmatório e definitivo da doença. Como também consta em sua DO, a causa mortis: Falência múltipla de órgãos e SEPTICEMIA – infecção generalizada.

A Secretaria de Saúde informa que está tomando medidas preventivas para garantir a segurança da população e dos cães.

A Secretária de Saúde emitiu nota sobre o caso:

"A Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Vigilância Epidemiológica, mantém alerta para a ocorrência de um caso confirmado de Leishmaniose Visceral ( LV ), em um homem de 59 anos, que esteve internado no Hospital Regional Doutor Cleodon Carlos de Andrade- Pau dos Ferros- RN

Medidas tomadas pela Vigilância da Secretaria Municipal de Saúde:

A Secretaria de Saúde, através da Vigilância Epidemiológica, requisitou ao Hospital o prontuário do Paciente com sua Declaração de Óbito para confirmação da doença, sendo informado pelos profissionais plantonistas da UTI do referido Hospital que foram colhidas amostras para a realização do tipo de exame específico, cujo resultado acusou confirmatório e definitivo da doença. Como também consta em sua DO, a causa mortis: Falência múltipla de órgãos e SEPTICEMIA - infecção generalizada.

Comprovando a discussão no I Seminário Municipal de Leishmaniose que os casos em Pau dos Ferros e no país como um todo, por ser uma doença recrudescente tem seu diagnóstico tardio. Ressaltando também a partir do caso que muitos profissionais desconhecem a patologia pelo fato da mesma não ser uma doença com sintomas claros e bem evidenciados na sua fase inicial ( de maior sucesso na terapêutica ).

Desta forma viemos acalmar a população informando que não há “inúmeros” casos positivos na cidade e mesmo que os positivos confirmarem, ainda assim estaremos na classificação transmissão esporádica. Como descreve a nota encontrada no endereço eletrônico www.paho.org/leishmaniasis.

Salientamos ainda, que estamos empenhados em garantir a segurança e a saúde da população em geral, bem como dos cães de nosso município.

Pensando na melhor forma de conduzir esta questão em debate e suas implicações, com a elaboração de novas diretrizes e estratégias de enfrentamento da leishmaniose.

Ainda destacamos algumas ações feitas ( 2018/2019 ) Acompanhamento da epidemiologia dos casos caninos e humanos: Atividades educativas em Parceria com UERN/ SESAP e ONGs, sorologias de animais, borrifação em áreas suspeitas, investigação de casos em Humanos, Audiência Pública na Câmara de vereadores de Pau dos Ferros no dia 08/06/2018, com baixissima participação da população, imprensa e rádios locais. O que pode ser visto pelo <https://www.facebook.com/CamaraPaudosFerros> e mais recente, especificamente no dia 16/05/2019 o I Seminário Municipal sobre Leishmaniose. Uma atividade resultante da Parceria da Secretaria Municipal de Saúde com a UERN/ Departamento de Enfermagem/ CAMEAM. Ainda para ilustrar, lidar com doenças vetoriais é um trabalho contínuo e precisa envolver a população como um todo e cujo ponto estratégico é a co-responsabilidade da população e poder público e tendo como base a educação.

Informes necessários sobre a contaminação da Doença

A Leishmaniose visceral é uma zoonose de evolução crônica, com acometimento sistêmico. É transmitida ao homem pela picada de fêmeas do inseto vetor infectado. No Brasil, a principal espécie responsável pela transmissão é a Lutzomyia longipalpis, o Mosquito palha. Raposas e lobos silvestres (Lycalopex vetulus e Cerdocyon thous) e marsupiais (Didelphis albiventris) têm sido apontados como reservatórios silvestres. No ambiente urbano, (Canis familiares) os cães domésticos são fontes de infecção para o vetor ( o mosquito).

Os sintomas da Leishmaniose Visceral Humana são febre de longa duração, aumento do fígado e baço, perda de peso, fraqueza, redução da força muscular, anemia e outras manifestações

TODAS AS INFORMAÇÕES OFICIAIS SOBRE A LEISHMANIOSE EM PAU DOS FERROS SERÃO FEITAS POR PROFISSIONAIS LIGADOS À SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE.

As medidas de prevenção da Leishmaniose preconizadas pelo Ministério da Saúde são:

1 - Limpeza periódica dos quintais, retirada da matéria orgânica em decomposição (folhas, frutos, fezes de animais e outros entulhos que favoreçam a umidade do solo, locais onde os mosquitos se desenvolvem);

2 - Destino adequado do lixo orgânico, a fim de impedir o desenvolvimento das larvas dos mosquitos;

3 - Limpeza dos abrigos de animais domésticos.

4 - Uso de coleiras repelentes em cães.

5 - Uso de inseticida REALIZADO PELA EQUIPE DE VIGILANCIA AMBIENTAL. No entanto, a indicação é apenas para as áreas com casos NOTIFICADOS E CONFIRMADOS.

Pedimos que toda a população colabore com as medidas de limpeza e conscientização de manejo com o lixo e o cuidado com seus animais. E AOS PRIMEIROS SINAIS E SINTOMAS, INFORMAR A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MAIS PROXIMA DE SUA RESIDENCIA PARA A NOTIFICAÇÃO DO CASO SUSPEITO.

Ao mesmo tempo que nos preocupamos em tratar as demandas humanas, buscamos avaliar os animais. Os animais da comunidade estavam sendo avaliados e realizado testes rápidos, o resultado saindo com em média 25 minutos. Os cães que tinham o resultado positivo, logo após as amostras de sangue coletados eram enviados ao Laboratório Regional do Estado LAREP para ser submetidos a exames sorológicos encaminhamos ao Laboratório Central (LACEN) em Natal para confirmação laboratorial. Porem há aproximadamente 60 dias o mesmo laboratório regional LAREP que é de Gerência do Estado encerrou o recebimento de amostras, alegando não haver espaço para acondicionar as amostras sorológicas e o LACEN em Natal que acusou, não existir profissionais para avaliações sorológicas. O que foi notificado ao MPE e divulgado em reunião ordinária do Comissão Intergestora Regional - CIR ( Colegiado de Secretários Municipais).

É oportuno dizer que vários resultados positivos ou negativos de animais já atendidos encontram-se no Laboratório aguardando resultados, e com isso a Equipe de Vigilância Ambiental não pode tomar algumas medidas cabíveis com relação aos animais.

Vale salientar que o SUS não disponibiliza tratamento para o animal, sendo indicativo de eutanásia ( morte do animal ) a qual somente poderá ser feita na presença de médico veterinário, sob sedação do animal e em casos confirmados positivos.

Legalmente a Vigilância Ambiental só pode realizar tal procedimento com o resultado positivo ( laboratorial ). Além de buscar avaliar os animais, a equipe de Saúde, também está nas localidades informando a população, inclusive capacitando-os buscando esclarecer dúvidas e orientar quanto a prevenção.

Para os casos humanos com casos reagentes (positivos) são encaminhados para os Hospitais de Referência do Estado afim de que possam fazer o tratamento indicado com supervisão hospitalar, LOGO APÓS A UNIDADE DE SÁUDE SER INFORMADO a positividade do caso - CASO CONFIRMADO.

Estamos cientes de nossas responsabilidades e trabalhando para sempre buscar eficiência nos serviços prestados e satisfação ao interesse público, colocamo-nos à disposição para maiores esclarecimentos.

Respeitosamente,

Eliana Barreto Fixina

Secretária da Saúde."

DE FATO

0 Comentários