Caso o Congresso Nacional volte a incluir os municípios na reforma previdenciária, algumas inovações começam a ser defendidas pelos prefeitos, como a autorização para os Regimes Próprios da Previdência, que hoje envolvem 38 dos 167 do Estado, segundo dados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), realizarem empréstimos consignados a servidores públicos, ativos e inativos, como já ocorrem em relação aos bancos oficiais e privados. “Seria uma oxigenização de recursos permanentes dentro da previdência própria”, diz o presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte, Leonardo Cassimiro de Araújo Júnior.

“Os servidores poderão muito bem usar os recursos da própria previdência, com os mesmos juros de mercado, a risco zero devido a alta liquidez, porque é descontado na folha de pagamento”, afirmou “Naldinho”, que também é prefeito de São Paulo do Potengi. O presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Natal (Natalprev), Thiago Costa Marreiros, acha que “é uma ideia brilhante” os regimes próprios também realizarem empréstimos consignados para servidores ativos e inativos.


Thiago Marreiros diz que isso “ja vinha sendo defendido pelos estudiosos da previdência até mesmo antes da discussão da reforma previdenciária, como salvaguarda dos regimes previdenciários’.

(mais…)

0 Comentários